Saldo retroativo do PIS/Pasep paga em média R$ 1.700; veja quem pode

De acordo com o governo, o dinheiro estará liberado para nada menos que 10,4 milhões de trabalhadores. Valor médio é de R$1.760

A Caixa Econômica Federal (CEF) confirmou que já está pagando os valores das Cotas do Programa de Integração (PIS) referente aos créditos depositados pelos empregadores entre 1971 e 1988. O valor total vai estar disponível a todos os trabalhadores que não tiverem feito o saque total do saldo anteriormente.

De acordo com o governo, o dinheiro estará liberado para nada menos que 10,4 milhões de trabalhadores. O valor médio dos saques será de R$1.760. Quem desejar consultar o saldo disponível das Cotas do PIS, o cidadão deverá acessar ao site da Caixa Econômica Federal (CEF). Os valores também podem ser acompanhados pelo aplicativo Caixa Trabalhador.

O cidadão que tiver até R$3.000 está liberado para efetuar o saque com o Cartão do Cidadão e senha nos terminais de autoatendimento do banco estatal, lotéricas ou correspondente Caixa Aqui. Quem tiver mais, deve fazer o saque em agências da Caixa a partir da apresentação de um documento oficial com foto.

Caso o beneficiário do saque tenha falecido, o pagamento do montante poderá ser retirado pelos dependentes.

Abono do PIS/PASEP sobe para R$1.045 nos próximos dias; veja quem pode

O valor do PIS/PASEP vai aumentar, em fevereiro, 4,48%, na mesma proporção do aumento do salário mínimo de 2019 para 2020, uma vez que o aumento no valor do salário mínimo para R$1.045 também altera o pagamento do abono do PIS/PASEP.

Em dezembro de 2019, o valor do abono foi de R$998. Em janeiro, os saques passaram para R$1.039 (valor do salário em janeiro). Em fevereiro, os valores passarão para R$1.045, mesmo valor do salário mínimo. O reajuste salarial foi anunciado pelo Presidente Jair Bolsonaro. Segundo ele, o valor vai entrar em vigor no país a partir de 1º de fevereiro.

O valor a ser considerado é o do salário mínimo vigente na data do pagamento. Sendo assim, quem nasceu em Março, Abril, Maio e Junho já terão direito aos pagamentos de até R$1.045, uma vez que os lotes dos aniversariantes dos meses citados serão liberados em 13 de fevereiro e 19 de março, período em que o novo salário (R$1.045) já estará em vigor.

Vale destacar que o valor do abono salarial é proporcional ao tempo de serviço do trabalhador no ano-base. Quem trabalhou o ano inteiro recebe um salário mínimo.

Por: Jôsy Souza/Mídia Regional

Fonte: ASCOM

Bolsa Família terá nova marca do governo Bolsonaro e valor do benefício deverá sofrer aumento em 2020

A equipe econômica do governo Bolsonaro está estudando reformular o Bolsa Família e ainda reajustar o valor do benefício para 2020. Além disso, O programa deverá contar com a própria marca do governo atual.

Bolsa Família terá aumento em 2020

Muitas mudanças deverão ocorrer no programa de acordo com um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Especula-se que dentre as mudanças, será retirado os benefícios de pessoas com maior renda e todas as crianças e adolescentes brasileiros, independendo da classe social teriam um incentivo pago a elas.

Embora o abono salarial e o desconto no IR sejam cortados, um benefício universal de R$ 45 para brasileiros de até 18 seria criado. Além disso, famílias com renda per capita mensal de R$ 250 continuariam a receber o benefício. Outro incentivo estudado é referente a lares com crianças de zero a quatro ano e um repasse extra para famílias em situação de extrema pobreza.

A proposta está sendo estudada pela equipe econômica, mas as mudanças não serão implementadas neste ano, segundo o Ministério da Cidadania.

Reajuste para 2020

A equipe econômica do governo divulgou, por intermédio da proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), um aumento do salário mínimo de R$ 998 para R$ 1040. Mas o Ministério da Economia revisou o reajuste para R$ 1039, com o pagamento previsto para 2020. Além disso, com a estimativa de redução da inflação, a equipe econômica baixou ainda mais o mínimo para 2020, que deve ser de R$ 1030 mensais.

Contudo, o Programa Bolsa Família também deverá sofrer um reajuste devido ao aumento do salário mínimo e ainda porque foi prometido que se caso a Reforma da Previdência fosse aprovada, o programa seria reajustado.

O ministro da Cidadania, em julho deste ano, afirmou que o governo iria fazer o reajuste no Bolsa Família no próximo ano, depois da Reforma da Previdência. “Ano que vem vamos pensar. Se sair a nova Previdência, vamos dar um aumento bom. Se não sair, temos que manter o que a gente tem pelo menos”, disse na ocasião.

Portanto, o reajuste deverá de fato acontecer pois a Reforma da Previdência foi aprovada pelo Senado.

Quem tem direito ao Bolsa Família?

O programa Bolsa Família tem como objetivo atender famílias de baixa renda, confira as famílias que têm direito:

  • Extremamente pobres (com renda mensal máxima de até R$ 89,00 por cada membro familiar)
  • Pobres (com renda mensal entre R$ 89,01 e R$ 177,00 por cada membro familiar)
  • Pobres que contam em sua composição gestantes, crianças ou adolescentes com idade máxima de 17 anos.

 

Por: Jôsy Souza/Mídia Regional

Fonte: ASCOM

Temer aumenta salário de servidores

Temer aumenta salário de servidores; auditor fiscal ganhará até R$ 27 mil mais bônus

O aumento custará R$ 3,8 bilhões aos cofres públicos em 2017 e R$ 11,2 bilhões entre 2016 e 2019

No mesmo dia em que determinou um aumento menor do que o esperado para o salário mínimo, o governo publicou no Diário Oficial da União desta sexta-feira (30) a Medida Provisória 765, que prevê reajustes salariais para oito categorias de servidores federais, incluindo auditores fiscais da Receita Federal.

Também foi publicada lei com reajuste para defensores públicos da União, comandantes das Forças Armadas e cargos de natureza especial. Foram contemplados ainda as carreiras de auditor fiscal do Trabalho, perito médico previdenciário, carreira de infraestrutura, diplomata, oficial de chancelaria, assistente de chancelaria e policial civil dos ex-territórios (Acre, Amapá, Rondônia e Roraima).
O aumento custará R$ 3,8 bilhões aos cofres públicos em 2017 e R$ 11,2 bilhões entre 2016 e 2019.
No caso dos auditores fiscais da Receita, o salário inicial passará de R$ 18.296 para R$ 19.211 em 2017, alcançando R$ 21.029 em 2019. No final da carreira, poderá passar de R$ 23.755 para R$ 27.303 em 2019.
Além disso, foi criado um bônus de eficiência que pagará, relativo aos meses de dezembro de 2016 e janeiro de 2017, R$ 7.500 para auditores e R$ 4.500 para analistas. A partir de fevereiro, o valor será de R$ 3 mil para auditores e R$ 1.800 para analistas e variará de acordo com o cumprimento de metas.
Para os diplomatas, o salário inicial passará de R$ 15.005 para R$ 16.935 em 2017, chegando a R$ 19.199 em 2019. No fim de carreira, esse valor chegará a R$ 27.369. De acordo com o Ministério do Planejamento, os reajustes decorrem de acordos salariais assinados até maio e estavam previstos para entrar em vigor a partir de agosto, mas o aumento foi adiado para 2017 para garantir o cumprimento da meta fiscal.
Os reajustes serão parcelados até 2019. “Mesmo com o reajuste, as despesas com pessoal permanecem estáveis em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), apresentando, inclusive, uma queda expressiva de 4,6% do PIB em 2009 para 4,1% na estimativa para 2017. Em 2018, o estimado é que despesa com pessoal represente 4,1% do PIB”, destacou o Planejamento, em nota.
Também foi publicada no Diário Oficial desta sexta-feira lei que autoriza reajuste para defensores públicos da União. Nesse caso, o salário inicial passará de R$ 17.330 para R$ 22.197 em 2017, chegando a R$ 24.298 em 2019.
No topo da carreira, o vencimento poderá alcançar R$ 30.546. Foi autorizado ainda aumentos para os comandantes das Forças Armadas, para o presidente da Agência Espacial Brasileira e para cargos de natureza especial da Presidência da República (de R$ 14.289 para R$ 17.327 em 2019). (Correio24horas).